MENU

GALERIA DE ARTE

Exposições regulares de artistas locais, nacionais e internacionais. Habitualmente as exposições estarão inseridas no âmbito do INAUGURO (www.inauguro.net) um grupo de espaços artístico-culturais de Viana do Castelo que realizam exposições simultâneas de 6 em 6 semanas com propostas artísticas contemporâneas.

#donaemiliaartgalery

Exposição #1
Agosto 2016
Acervo Dama Aflita

A Dama Aflita é uma galeria dedicada à Ilustração e ao Desenho do Porto e promovida pela associação cultural homónima. Tem como principal objectivo promover o desenvolvimento da Ilustração, do Desenho e dos seus autores. Procura ligações entre actividades multidisciplinares onde a Ilustração e o Desenho são o principal motor, através de mostras e exposições regulares, assim como a criação de eventos satélite, tais como workshops, publicações, intervenções urbanas, entre outros. A galeria da associação Dama Aflita privilegia a troca de experiências entre os diversos territórios de actuação da Ilustração, construída a partir de identidades locais e por fenómenos globais contemporâneos.

www.damaaflita.com

dona-emilia-galeria

Exposição #2
Outubro 2016
Amor cruzado nas Jornadas Europeias de Património

Exposição da 1ª edição de “Amor cruzado”, projeto onde a ancestral tradição Minhota dos lenços dos namorados foi revisitada por artistas contemporâneos em residência com bordadeiras de várias gerações.

Artistas: Célia Esteves, Ivo Hoogveld, Joana Estrela, Júlio Dolbeth, Lord Mantraste e Rui Vitorino Santos. Bordadeiras: Alice Augusto, Ceú Cunha – Teciborda, Cristina Lopes, Conceição Pinheiro, Inês Mendes e Vera Cancela.
Participação e apoios Coordenação e ideia original: Rute Esteves e Nuno Freitas. Residência Artística: Casa dos Carvalhais www.casadoscarvalhais.com. Parcerias: Galeria Dama Aflita www.damaaflita.com, estúdio de serigrafia LAICA PRINT www.laicaprint.com, Aliança Artesanal Vila Verde – www.aliancartesanal.pt, A Vida Portuguesa www.avidaportuguesa.com. Parceiro Institucional e apoio financeiro: Município de Vila Verde – www.cm-vilaverde.p.t Apoio logístico: Restaurante Torres, Município de Vila Verde, Casa dos Carvalhais e Dona Emília Casa de Hóspedes hwww.dona-emilia.com. Produção: Casa dos Carvalhais e Município de Vila Verde.

dona-emilia-galeria-2
logos

Exposição #3
Mariana Barrote
Pluma Velada

mariana barrote

O jogo intrincado de velar e desvelar, esconder para encontrar. Imagens que se lançam para transfigurações do prazer, em deliciosas pistas que conduzem à descoberta merecida e já antes anunciada. Mariana Barrote (1986). Nasceu em Fão e viveu em Viana do Castelo a sua juventude. Licenciada em artes-plásticas pela Faculdade de Belas-Artes do Porto. Tem exposto em Portugal, mas também em França e Bruxelas, tanto em colectivo como individualmente. Esteve como artista residente em residências artísticas (Azores Combo Art Camp, São Miguel; Bienal de Amares 2015 e Carpe-Diem, em Lisboa). Tem uma obra no Museu Municipal de Aveiro, adquirida como 1º prémio do concurso Aveiro jovens criadores. Membro do colectivo gráfico Chapa Azul, que promove a obra gráfica através de oficinas e também de residências artísticas.

marianabarrote.wix.com/pintura

Exposição #4
Joana Estrela
3 livros, 2 paredes

dscf3195jpg_32230206495_o

Centrando-se em três projectos de livros, um passado, um presente e outro futuro, esta exposição faz uma panorâmica de três anos de ilustrações da Joana Estrela.
Começando pelo seu primeiro trabalho escrito e desenhado para crianças, Os Vestidos de Tiago, uma história curta sobre papéis de género e a felicidade de se ser livre para vestir o que se gosta. Ecos que ressoam numa ou outra página do mais recente Mana (neste caso, uma irmã mais nova que só quer vestir a roupa do pai). 
Do livro sobre as irmãs são apresentados alguns dos primeiros rascunhos e originais. Folhas recortadas e desenhos de infância da Joana e da sua irmã, Helena Estrela, que mais tarde foram editados digitalmente, num livro que é muito feito de camadas e de recolha autobiográfica.
Um método de trabalho muito diferente dos desenhos mais recentes, a grafite, da banda desenhada Antónia. Neste caso trata-se de páginas de um livro que ainda não existe, sobre as aventuras de uma militar e heroína apelidada “A Cavaleira Portuguesa”.

www.planetatangerina.com/pt/autores/joana-estrela

http://inauguro.pt/?p=2847

Exposição #5
Élodie Petit
Aquele (a) que não chora não tem erotismo

dscf3695jpg_33600260122_o

Élodie Petit é uma jovem francesa artista e poetisa. Trabalha com texto, desenho e micro-publicações (Fanzines). Através de um universo pop ultra-colorido, ela questiona as noções de identidade de género e do feminismo. Para a exposição na galeria de arte da Dona Emília, “Aquele (a) que não chora não tem erotismo” questionará como os espaços são habitados e como emergem as políticas de intimidade.

www.www.elodiepetit.fr

http://inauguro.pt/?p=2897

Exposição #6
Luísa Ferreira
Intimidade

dscf4593jpg_33890904681_o

Sempre gostei de casas, de ver a organização das dos outros e organizar as minhas, temporárias ou não. A série intimidade ter-se-à afirmado nas várias visitas à Tapada da Tojeira. Vêm-me à memória muitas casas, tradicionais e contemporâneas. Na minha primeira visita a casa da Graça Passos, em 1999, percebi a necessidade de fotografar. Discuti esta série de fotografias pela primeira vez com Carlos Vaz Marques para o ensaio fotográfico da Granta 3 (2014). Carlos juntou-lhe dois versos de Ruy Belo, como epígrafe:
“Só as casas explicam que exista /uma palavra como intimidade”.
Quando a exposição foi para Portel, Capela de Santo António em 2015, a convite de Bruno Portela , percebi que poderia ser uma exposição itinerante e percorrer o país a descobrir novos interiores, em cada novo lugar, novos espaços, novas casas. Sempre a casa a encantar-me.
“Luísa Ferreira detém-se no interior da casa, espaço de intimidade maior, e por isso privado, marcado por quem o habita, por quem o constrói à sua imagem, onde cada objeto tem uma semântica específica, conta uma estória, sedimenta memórias. As mesas, postas, a par dos objetos, indiciam a vida dos seus habitantes, evocam o lugar primordial da convivência.”
Ana Isabel Ribeiro, Diretora da Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, 2015.

Graça Francisco Rui Victor Maria Gonçalo João Luís Olga Miguel Hugo Júlia Joana Helena Albino António Joaquim Jacqueline Catarina Alessandro Luísa José Augusta Mário Carlos Pilar Fernando Manuela Ilda Manuel Samuel Joaquina Victória Graciete Hélia Eugénia Bruno Ana Isabel Vasco Mafalda Pedro Paula Régia Estevão Luís Gerry Odete Emília Arnold
Agradeço a todas as pessoas que me deixaram entrar em sua casa, amigos e desconhecidos.
Agradeço também a todos aqueles com quem discuti algumas situações relacionadas com o projecto.

Luísa Ferreira

www.luisaferreira.com

Abril, 2017

Exposição #7
Filipe Abranches
Fitz…

FITZCARRALDO de Werner Herzog
No final do século XIX, no apogeu do ciclo da borracha, o aventureiro Brian Sweeney “Fitzcarraldo” Fitzgerald, fã do tenor italiano Enrique Caruso, sonha em construir um teatro de ópera na Amazônia peruana. Para realizar seu sonho, faz com que centenas de índios arrastem um navio a vapor de 160 toneladas pelo coração da selva amazônica.

Filipe Abranches

www.ao-norte.com
http://inauguro.pt/?p=3013

Exposição #8
Rodrigo Cabral
Viana do Castelo um olhar

Não sendo natural de Viana, desde muito novo ouvia histórias fantásticas contadas pela Micas, a minha Avó. E no meu imaginário eu via uma Cidade com o seu Castelo, e a Ana do Castelo, o campo da agonia, a ponte do Eiffel e o jardim.

Nos ultimos anos, Viana passou a ser um destino de eleição de férias, primeiro uns anos sim outros não, e recentemente, tendo casa em Viana passaram a ser sistemáticas as vindas, e foi ai que comecei a fotografar esta cidade.

A ideia não foi fazer fotografias de férias, mas registar momentos do meu olhar sobre esta cidade.

E assim nasceu este projecto que vos mostro em parte nesta exposição.

Rodrigo Cabral

www.rodrigocabral.com

http://inauguro.pt/?p=2897